Outdoors ambulantes



Há algum tempo tenho pensado na necessidade de algumas pessoas em se vestir como se fossem vitrines de lojas. Não me refiro a roupas bonitas e bem cortadas, e sim, com etiquetas e as marcas estampadas. Me parece que tudo saiu tanto do controle, que crianças, adolescentes estão discutindo sobre quem tem o telefone mais moderno e caro. E os adultos, claramente, fomentam isso. .

Será que eu sou a única a questionar este tipo de comportamento?

Fico me perguntando se, há duas décadas, quando eu era criança, as coisas eram dessa forma... Será que meus pais me blindaram tanto, ou os tempos, de fato, mudaram e com ele também os valores?

Os valores hoje são medidos por números. Quantos sapatos você tem, quantas vezes foi passear à Disney, quantos celulares "da moda" teve antes dos 10 anos de idade, quantas bolsas "de grife" consegue comprar com seu salário, ou quantas imitações pretende ter. 

Afinal, as imitações são tão assustadoras quanto. Algumas originais são muitos estranhas, daí vem os imitadores e conseguem fazer com que elas fiquem mais ainda. E o pior, pessoas compram, sabendo que são imitações e pensando, em um mundo paralelo, que ninguém vai saber a diferença.

Me-do-nho.

Pessoas preferem ter closets abarrotados de sapatos caros ao invés de pensar em sair do aluguel, investir em uma viagem, um curso que fará a diferença no currículo, ou ter um bom plano de saúde. Coisas valem mais, afinal de contas. Experiência, segurança, saúde e família... Bem, se der tempo eles cuidam disso.

Penso ainda naquelas pessoas em momentos que a gente elogia honestamente: "nossa que linda calça", ela logo responde "é da loja tal, custou X mil" e você fica sem ter muita reação. Eu, penso comigo "grande coisa, só achei bonita mesmo" em outros casos "nossa, tem umas lojas de departamentos com umas bonitas tanto quanto essa".

Antes que eu seja julgada e apedrejada, destaco que a minha crítica jamais é com relação à moda, às marcas. e sim, com a falta de visão e prioridade que as pessoas são para suas vidas.
Quer ter uma bolsa que vale uma entrada em um módico apartamento, ok! A escolha é sua.
Eu sou a primeira a pensar na qualidade antes de qualquer compra, mas também penso nas prioridades que tenho e nas minhas metas.

Voto em bolsas bonitas, as admiro e, um dia, uma delas está na minha lista de compras, juro! Mas ela está lá depois de um zilhão de outras coisas que pretendo fazer. 

E você, o que acha de pessoas "outdoors ambulantes"?


Comentários

  1. Parabéns, tô boquiaberta com seu post. Falou exatamente tudo o que penso!

    ResponderExcluir
  2. Olás! :) Eu estava conversando mais ou menos sobre isso com alguns familiares, esses dias. Uma das primeiras coisas que faço depois de comprar uma roupa (e ter a certeza que vou ficar com ela) é arrancar a etiqueta. Não preciso fazer propaganda (e de graça!) pra empresas. O pior é que tem umas etiquetas que são impossíveis de se retirar sem estragar o tecido e acho uó. Mas mesmo assim tendo encobri-las. E olha que nem compro essas roupas que custam mais que um salário mínimo.

    ResponderExcluir
  3. Essas coisas de "marca" tem surtido um efeito contrário em mim. Peguei birra e ainda que possa estar barata eu não compro. Me sinto como se estivesse alimentando esse sistema consumista e fútil.

    ResponderExcluir
  4. Chega a ser estranho as pessoas trabalharem um mês inteiro ir em uma loja X e comprar por exemplo um tênis no valor do seu pagamento e depois não ter $ para uma coisa simples como passear no parque ou tomar um café de boa qualidade ao lado das pessoas que ama.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mude alguns hábitos para ser minimalista

Um desabafo sobre os excessos

A história do Minimalismo