Duas calças...




Sempre faço grandes limpezas nas minhas roupas, separo uma a uma e avalio quase que a cada bimestre a necessidade de ter cada uma delas. Sempre acabo separando uma ou duas sacolas de roupas e /ou objetos para doação. Comecei este post falando a respeito disso pois há duas semanas fiz mais um daqueles declutters avassaladores. Lá se foram dois sacos gigantes de doações e já sei que em breve mais um irá junto. Em meio a tudo isso, deixei separado apenas três calças para poder trabalhar: duas mais clássicas e uma menos tradicional – uma pantalona.  

Acontece que estava eu, usando uma das calças na semana passada para trabalhar quando ela simplesmente rasgou. Rasgou assim, sem dar aviso prévio: “Creeeeeccc”. Corri pro banheiro do trabalho para avaliar a situação e aguentei o resto do dia, visto que a coisa não estava muito feia. Em outro momento da minha vida, teria corrido no shopping e comprado outra calça na hora, mas não fui porque não precisava! No dia seguinte, lá estava eu com a segunda calça, saltitante e feliz voltando do trabalho para casa quando um barulho familiar soou: “creeeeecc”. Ah, não!!! Sim senhoras e senhores, a segunda calça, de tão velhinha e poida, não resistiu e faleceu... Com isso só me restava uma!

Quando em casa, com calma fui avaliar as duas calças que haviam desistido de viver notei que nem o conserto seria a solução visto que elas estavam comigo há um bom tempo e os tecidos não aguentariam por muito tempo mais. Foi aí que tomei a decisão de comprar outras duas calças.

Durante a semana, saí do trabalho na quinta-feira e dei uma passadinha em algumas lojas que sei que posso encontrar as roupas que gosto, no preço que posso e do jeito que me agrada. Não deu certo! No sábado, determinada a comprar apenas as calças, fui para um shopping. Lá “andei, andei, andei até encontrar” e pronto. Duas calças bacaninhas compradas a preço justo e qualidade, afinal de contas, qualidade e conforto são prioridade!

O que mais me orgulhou nesse episódio é que eu determinei que precisava comprar dois objetos e os comprei, sem tentação alguma. Confesso que até experimentei outras coisas, uma blusa, um vestido. Mas não senti vontade de comprar nenhum dos dois. Vale ressaltar que não há o “impedimento” de comprar no minimalismo, apenas um cuidado para que a compra seja assertiva e de coisas que você realmente precisa, ou seja, de algo que seja essencial! Fiquei orgulhosa de mim.

Assim tenho feito a cada dia, um passo de cada vez a caminho do desapego e da consciência do consumo correto!


Comentários

  1. tenho certeza de que vc está no caminho certo e devagar se vai ao longe,né?

    Eu trabalho em um Antiquário e lá tem um brechó! Vc não curte brechós?

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paula, como é bom perceber essas pequenas vitórias! Adoro!!!
      Estamos juntas nesse caminho!

      Sobre o brechó, confesso que já tive preconceito a respeito, mas aprendi a superar, porém perto de onde moro/trabalho não tem nada do tipo...

      Excluir
  2. Bacana isso! É isso aí, aprendendo com você.
    Eu preciso aprender a ter foco e ir comprar o que realmente preciso! Quando entro numa loja fico distraída com várias coisas e muitas vezes saio sem comprar o que fui comprar! :)

    Parabéns pela conquista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Andreia! Estou ainda aprendendo, um pouquinho a cada dia e lembrando sempre que o excesso não é o necessário.
      Vamos caminhar juntas?

      Obrigada pela visita!

      Excluir
  3. Seu texto me lembrou de uma coisa engraçada. Quando eu destralhei meu guarda-roupas ano passado, resolvi ter apenas 2 calças jeans, uma clara e uma escura, para suprir minhas necessidades. Enfim, eu apenas uso uma, as outras que eu tinha separado para fazer um teste ainda estão enfiadas no maleiro, esperando eu resolver se realmente elas devem ir embora ou não e a tal calça clara ganhou uma amiga, a calça claríssima e eu não uso nenhuma das duas pois ambas precisam de ajuste.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a gente se programa e nem sempre funciona! Ainda bem que podemos errar sempre... Um passo de cada vez!

      Beijos,

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mude alguns hábitos para ser minimalista

Um desabafo sobre os excessos

A história do Minimalismo