Eu Falhei



Olá, meu nome é Graziella e vim aqui dizer que falhei.

Eu falhei na minha tentativa de ficar 60 dias sem consumir. Prova que ainda preciso muito evoluir. Eu falhei! Aguentei o quanto foi possível, mas sucumbi aos desejos do consumo quando eu, dona de duas calças velhas e feias, passei por uma loja e encontrei uma calça boa, básica e barata. Ela foi o início da minha ruína e hoje, sentada aqui, usando a tal calça, consegui confessar, mais de três meses depois, que não consegui ficar sem comprar nesta época.


Ainda durante este período, por mais curioso que possa parecer, fui entrevistada pela Rádio Nacional do Amazonas para falar a respeito do minimalismo. Além de ser uma experiência incrível ser entrevistada (por que geralmente sou eu quem entrevisto) pude falar um pouquinho da minha experiência como minimalista na prática. Fora que confessei em público que no dia da entrevista havia acabado de cometer o crime de furar meus 60 dias sem consumir. Acredita que me pegaram no pulo? rs

Ainda quero me colocar a prova, mas preciso de muito aprendizado! Vou repensar neste projeto, talvez comece com algo menor, uma semana, duas. Mas ainda não consegui me erguer moralmente para fazer um comunicado oficial das minhas novas caminhadas no “não consumo”.
Como digo sempre, aprendo e não desisto. Se desistir, não serei eu. Eu aprendi a não desistir.
Continuo no caminho minimalista, ainda no patamar do aprendizado, mas sempre caminhando para frente, jamais para qualquer outra direção!

Comentários

  1. Eu não acredito no minimalismo como um estilo de vida com regras estanques. Acho que cada um "cria" o minimalismo que melhor encaixa para si. Se a pessoa é muito consumista, do tipo que compra pra se sentir bem, é meio fora da realidade acreditar que, da noite para o dia, vai parar totalmente de comprar. É algo que acontece aos poucos. E a coisa toda não é parar de comprar por parar de comprar simplesmente, mas você buscar apenas o necessário. Se você tinha duas calças que considerava "velhas e feias", talvez valesse mesmo a pena investir em uma nova. Afinal, minimalismo também é sobre você se sentir bem consigo mesma. Portanto, se sentir feia não deve fazer parte do minimalismo. Talvez você possa enxergar essa calça nova como um investimento para passar um tempo razoável sem precisar comprar calças. ;)

    Eu vejo o minimalismo como uma forma de viver mais levemente a vida. E tornar a coisa radical demais parece até ir contra ele mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariana, adorei seu comentário e a visita. Concordo em cada palavra, porém o desafio que me propus não foi por me considerar consumista e sim por considerar que eu não conseguiria passar pelas festas do final de ano sem ser "encantada" pelo apelo comercial. Sempre compramos excessivamente no final de ano por conta de todo clima que envolve essa época e era disso que queria fugir, além de testar minha capacidade de ficar "sem" o que julgava não ser excessivo na minha vida. O post fala por si, não consegui. Mas concordo que a calça foi um bom investimento...

      Vou me testar de outras formas... Aos poucos vou contanto por aqui!

      Excluir
    2. É... agora entendi melhor o ponto. Nesse caso, entendo bastante a sua frustração! Hoje quase cedi ao consumismo dos ovos de Páscoa...

      Mas vamos que vamos. Com o tempo vamos alcançando nossas metas :)

      Excluir
    3. Acredita que passei a páscoa sem ceder aos encantos dos ovinhos? Não tive a menor vontade de comprar... Fiquei super orgulhosa de mim! Mas vamos em frente, um passo de cada vez. Obrigada pela visita e volte sempre! Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mude alguns hábitos para ser minimalista

Um desabafo sobre os excessos

A história do Minimalismo